EDUCAÇÃO

  • Continuar construindo creches, escolas de ensino infantil/fundamental de período integral e parcial nos bairros onde houver demanda e necessidade, aumentando gradativamente as escolas para período integral;
  • Atendimento a Meta 17 gradativamente de acordo com o plano nacional e municipal de educação;
  • Intensificar as ações que promovam as parcerias com os governos Federal e Estadual, fundações e universidades públicas e privadas, objetivando a qualidade dos processos técnico-pedagógicos, na utilização da tecnologia educacional;
  • Ampliar gradativamente o quadro de professores para a Creche;
  • Ampliar as oportunidades de capacitação aos nossos profissionais da educação através de cursos presenciais e à distância (EAD) através de plataformas virtuais;
  • Continuidade na aquisição de computadores para professores;
  • Continuar o aprimoramento e aquisição de novas tecnologias, para um melhor aprendizado de alunos / professores e também para promoção de informações objetivando a ampliação dos sistemas de gestão educacional, gerando informações aos pais/responsáveis em vários segmentos como: presença, alimentação, transporte, rendimento escolar. Estas informações serão fornecidas por internet;
  • As aulas de apoio pedagógico ao aluno, estarão disponíveis nas escolas e também nas bibliotecas e associações via internet;
  • Implementar Programa de Estágio Remunerado para estudantes de pedagogia para atuar junto as crianças com necessidades especiais , auxiliando o professor da classe;
  • Continuar fortalecendo as parcerias com o Terceiro Setor (iniciativas privadas de utilidade pública com origem na sociedade civil sem fins lucrativos) através de convênios para ampliar o atendimento nas creches;
  • Aprimorar os projetos nas Escolas de Período Integral;
  • Intensificar as ações entre Educação e Assistência Social objetivando o levantamento de alunos, de baixa frequência ou abandono escolar, assim como os beneficiários do Programa Bolsa Família na formulação de propostas e alternativas para melhorar o seu desenvolvimento;
  • Melhorar o transporte escolar;
  • Elaborar um currículo específico para a EJA, articulando a formação básica e a preparação para o mundo do trabalho, tomando como referencial as “Propostas Curriculares para a EJA do Ensino Fundamental”;
  • Continuar buscando parcerias para uniformizar todos os alunos;
  • Aperfeiçoar o Programa de Atendimento a Educação Especial;
  • Proporcionar em parceria com a Secretaria de Saúde atendimento que contemple profissionais especializados para promover o melhor desenvolvimento escolar aos alunos com necessidades educacionais especiais;
  • Ampliar os recursos em tecnologia educacional e material didático para alunos com necessidades educacionais especiais;
  • Ampliar a contratação de profissionais de apoio – ADEs (Auxiliar de Desenvolvimento Educacional) para as crianças com necessidades especiais consideradas severas, e o quadro de docentes IV Educação Especial para apoio às escolas regulares;
  • Intensificar a difusão e ensinamento da comunicação em LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) para profissionais da educação e intensificar gradativamente o oferecimento de interlocutores aos alunos que necessitem;
  • Manter convênio com instituições especializadas em atendimento com alunos público alvo na Educação Especial;
  • Implantar Educação no Trânsito nas escolas;
  • Implantar uma segunda língua na grade curricular;
  • Estabelecer parceria de Estudos entre Rede Municipal e Estadual para acompanhamento da transição dos alunos do 5º para o 6º ano do Ensino Fundamental;
  • Estudar junto ao Estado a possibilidade de criação de uma Diretoria de Ensino em Indaiatuba;
  • Estudar e Analisar a viabilidade de integração dos anos finais do Ensino Fundamental do Estado à Rede Municipal de Ensino;
  • Discutir ações junto ao Governo Estadual para ampliação do Ensino Médio em tempo integral;
  • Revisão curricular para a Rede Municipal de Ensino;
  • Proporcionar revisão do Material didático a ser avaliado e reavaliado com os profissionais da educação;
  • Reavaliar os projetos educacionais desenvolvidos nas escolas, e decisão pela permanência ou não de acordo com os profissionais da educação;
  • Proporcionar ações mais efetivas e participativas do Programa Viver nas escolas.